Número total de visualizações de página

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Cota 152

O maior lago artificial da Europa atingiu, pela primeira vez desde que se fecharam as comportas, a cota de enchimento máxima.
As sucessivas descargas que se têm vindo a realizar são, de facto, um espectáculo digno de registo.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Provas de Mestrado - II

Realizaram-se, no dia 25 de Fevereiro,  as provas públicas de mestrado de Clara Oliveira.
A candidata foi aprovada. Parabéns.

Título: Percursos da Investigação Arqueológica no Norte Alentejano: O Caso do Complexo de Arte Rupestre da Esperança


















O Júri era constituído por:

Presidente: Profª Auxiliar Leonor Maria Pereira Rocha-UÉ
Arguente: Prof. Titular Juan Enriquez Navascués-Universidade da Extremadura
Orientador: Prof. Associado c/Agregação Jorge Manuel Pestana Forte de Oliveira-UÉ






quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

ALQUEVA














Iniciou-se hoje, em Beja, o 4º Colóquio de Arqueologia do Alqueva.
Para além das conferências destinadas a apresentar os resultados que se têm vindo a obter com as intervenções arqueológicas realizadas, destaco duas, pela sua importância para o estudo da Avaliação de Impacte Ambiental em Portugal:
a do Drº António Carlos Silva: Alqueva: "Quatro encontros de Arqueologia depois.."
e a do Drº Miguel Martinho "Caracterizar, avaliar, minimizar, valorizar...O património cultural no Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva".

A informação de que 2/3 dos sítios identificados nos EIAs e com medidas de minimização previstas na DIA, não revelaram contextos arqueológicos preservados, deve ser analisada e, sobretudo, deve-se repensar as estratégias e as metodologias de abordagem subjacentes aos EIAs...

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Arte Rupestre: Congresso
























Realiza-se em Comarca de los Vélez, Almeria, o II Congreso Arte Rupestre Esquemático en la Península Ibérica.
Data: 5-8 de Maio de 2010
Informações e inscrições em:
http://www.arterupestre.es/web/panel.php

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Marcadores gráficos y megalitos en el Tajo Internacional

Conferência de apresentação do livro "“Graphical Markers and Megalith Buiders in the International Tagus, Iberian Peninsula”, editado pela BAR (British Archaeological Reports) realizada pela Professora Doutora Primitiva Bueno Ramirez, da Universidade de Alcalá de Henares, no dia 20 de Fevereiro, em Marvão.
Estiveram presentes cerca de duas dezenas de arqueólogos, autarcas e a comunidade local.


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Graphical Markers and Megalith Buiders in the International Tagus, Iberian Peninsula












"No dia 20 de Fevereiro, às 16 horas, na Câmara Velha-Casa da Cultura de Marvão, será apresentado em Portugal o livro “Graphical Markers and Megalith Buiders in the International Tagus, Iberian Peninsula”, editado pela BAR (British Archaeological Reports), uma das mais prestigiadas editoras mundiais.


Neste livro reúnem-se as comunicações apresentadas no congresso que, com o mesmo nome, que se realizou em Santiago de Alcântara, e onde participaram todos os arqueólogos que sobre a bacia do Médio Tejo têm vindo a desenvolver investigações. Trata-se de uma obra de referência que ao ser editado pela BAR permite a divulgação mundial do riquíssimo património arqueológico existente na bacia do Tejo Médio e seus afluentes, com destaque para o Rio Sever.

A apresentação do livro estará a cargo da Professora Doutora Primitiva Bueno Ramirez, da Universidade de Alcalá de Henares, uma das coordenadoras desta edição. Da realização do congresso que gerou a edição deste livro emergiu a Plataforma de Estudos Arqueológicos do Médio Tejo que pretende evoluir e constituir-se com Centro de Investigação Internacional do Médio Tejo e que tem como objectivo congregar e apoiar todos os trabalhos arqueológicos que sobre esta região se desenvolvam".

Uso e abuso de detectores de metais

Detectores de metais

Á semelhança de Portugal, também a Bulgária proibiu o uso de detectores de metais, tendo em vista a salvaguarda do seu património.

Em Portugal, esta questão encontra-se regulamentada desde 1999 (Lei 121/99, de 20 de Agosto).
"É proibida a utilização de detectores de metais na pesquisa de objectos e artefactos relevantes para a história, para a arte, para a numismática ou para a arqueologia".

No entanto, encontra-se facilmente à venda na Internet, com publicidades do tipo:
"Para caçadores de tesouros e para quem gosta de brincar na praia! Consegue encontrar metais enterrados no solo e pode ajustar a sensibilidade do Detector de Metal para encontrar o tipo de metal que deseja encontrar."
"Enriqueça procurando ouro e moedas"

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

EIAs

A realização dos EIAs, descritor Património, em pedreiras, coloca o arqueólogo perante vários problemas:

  1. As que se encontram agora em fase de avaliação são, regra geral, pedreiras existentes. Trata-se então de obter novos licenciamentos ou de ampliações, pelo que já se encontra aberta;

  2. Para além disso, o arqueólogo, responsável pela elaboração do trabalho, depara-se com um terreno com visibilidade quase nula, uma vez que as áreas adjacentes se encontram cheias de detritos/escombreiras (pedreiras de granitos e mármores são as piores...);

  3. Nas de exploração de inertes, a questão das escombreiras já não se coloca, mas temos as áreas de depósito...

Nestas situações, a única opção a tomar é preconizar o acompanhamento da obra nas fases de remoção dos detritos superficiais (Zona dos mármores está a criar Àreas de Deposição Comum, para libertar espaço e permitir a ampliação das pedreiras) e de remoção da camada de terra superficial.

Aspecto geral de uma pedreira de exploração de granitos.















































































Exploração de inertes































O recente Decreto-Lei n.º 10/2010, de 4 de Fevereiro, estabelece o regime jurídico a que está sujeita a gestão de resíduos das explorações de depósitos minerais e de massas minerais (resíduos de extracção). Este documento, transpõe para a legislação portuguesa a Directiva n.º 2006/21/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de Março, relativa à gestão dos resíduos das indústrias extractivas.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Provas de doutoramento




































Fotos: J. de Oliveira
Maria Ana Bernardo, docente do Departamento de História da Universidade de Évora, defendeu a a sua tese de doutoramento, tendo passado com a nota máxima.
Tema: "Sociedades e elites no concelho de Évora. Permanência e mudança (1890-1930)".
Muitos parabéns à nova Doutora deste Departamento!!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Visita de estudo (4)







MONTE MOLIÃO (Lagos)
Escavações coordenadas pela Prof. Doutora Ana Arruda, da FLL, com o apoio da colaboração/apoio da Câmara Municipal de Lagos.
Visita guiada pelos Drs Rui Parreira e Elena Morán.